domingo, 21 de junho de 2015

Soneto Luz e Treva

EEla tem uma graça de pantera 
No andar bem-comportado de menina. 
No molejo em que vem sempre se espera 
Que de repente ela lhe salte em cima. 

Mas súbito renega a bela e a fera 
Prende o cabelo, vai para a cozinha 
E de um ovo estrelado na panela 
Ela com clara e gema faz o dia. 

Ela é de capricórnio, eu sou de libra 
Eu sou o Oxalá velho, ela é Inhansã 
A mim me enerva o ardor com que ela vibra 

E que a motiva desde de manhã. 
- Como é que pode, digo-me com espanto 
A luz e a treva se quererem tanto...

Vinicius de Moraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário