terça-feira, 29 de abril de 2014

Penso na vida e na esperança,
Na paisagem de flores secas em que brotam meus pés. 
Penso em lembranças não vividas de um tão sonhado encontro
de duas vidas póstumas.
E tendo-me a prostrar em desalinho
 um coração que vive em cada vão momento 
anseios de um grande amor.