domingo, 30 de março de 2014

O amor: o inicio de um universo.

As vezes o amor acontece.No momento certo ele irá entrar em seu corpo. Com uma simples inspiração. E seus pulmões irão se encher de algo extraordinário, como se você não existisse antes dessa sensação, como se tudo até agora fosse nada. E naquele momento irá encontrar o sentido da vida. O seu verdadeiro sentido. E a partir dele você vivesse. Senti-lo. Em todos os seus poros, e pelos pêlos de seu corpo. O sorriso irá se encher da incrível sensação que ele trará. Pode não ser agora, amanhã ou daqui a 7 anos. Mas ele virá.
E será assim.
O perfeito encontro de duas almas, espíritos perdidos. E é desse encontro que nascera a força. A força inexplicável que move o mundo. O que os filósofos, físicos, sociologistas, historiadores, matemáticos e cosmólogos se esforçam para dizer. Vai entender. Compreender todas as fórmulas e poemas. E a verdadeira dor sentirá quando se imaginar sem essa força de novo. Não existirá você sem ela e nem ela sem você, como não há corpo sem alma.
Acredite. Só precisa acreditar. Não precisa procurar. Ela irá encontra-lo.
Ela já esta correndo atrás de você. Segure-se. O impacto será grande, será o big-bang. E o seu mundo surgirá.
ACREDITE!

Eu acredito. Ele já esta a minha procura.
Estou me preparando para o meu big-bang.
Hoje trilho um caminho sozinha, uma trilha ansiosa. Mas minha esperança esta neste acontecimento. Eu sonho com o verdadeiro paraíso.Só quero lhe dizer uma coisa amor: quando chegar não vou perde-lo nunca. Eu te darei os meus gestos mais belos, inócuos e sinceros que possuo. Doce amor... estou me construindo para você. Por nós. Seremos a força que move o mundo. O sentido da vida.

PERMITA-SE SONHAR COM O PARAÍSO!
Quando o amor é sincero ele vem com um grande amigo, e quando a amizade é concreta ela é cheia de amor e carinho
William Shakespeare

segunda-feira, 24 de março de 2014

Meu respirar

Eu posso sentir sua respiração
Milhares de quilômetros não fazem diferença
Não há como separar a chama do fogo
Você é meu pulmão querido
O meu folego.
E eu,
Sou suas pernas, cansadas de fugir.
Sou sua boca que arde quando procura outra que não há encaixe.
Sou seu peito apertado de agonia.
 Você é meu sossego . Minha paz.
A razão. De tudo.
Meus olhos estão tristes, porque meu corpo transborda de outro ser.
Esse é você. 
Meu eterno sonho.
Será que você existe?
Pode me ver?
Eu sinto sua dor. É como se fosse minha.
Suas vontades são as minhas.
Caminhamos por muito tempo distantes
E nenhuma destas distancias me tiram você.
O que eu faço?
Preciso respirar e você tira meu ar.
Meus passos estão pesados porque controla meus joelhos.
E meu coração esta com raiva, porque ainda existe amor de quem já foi.
Ainda deseja.
Meu sangue. Seu sangue.
Não há como fugir.
Não há como separar.
Somos nós.
Dois corpos e um coração.

Então não mate querido.  Eu sou você. E não há como separar o que já se fez um.

quarta-feira, 12 de março de 2014

Nature Boy


Havia um menino
Havia um menino ...

Um menino muito estranho e encantado
Dizem que ele vagava muito longe, muito longe
Por terra e mar
Um pouco tímido e triste de olho
Mas muito sábio ele era
E, em seguida, no dia
Um dia mágico ele passou pelo meu caminho
E enquanto falávamos de muitas coisas
Tolos e reis
Isso ele me disse

A maior coisa que você jamais vai aprender
É simplesmente amar e ser amado em troca ...

Nat King Cole

Nothing else matters ...

Tão perto, não importa o quão distante
Não poderia ser muito mais do coração
Eternamente confiando em quem nós somos
E nada mais importa...


Anjo meu

Tenho andado distraído,
e você tem tem me guiado,
tenho tido pesadelos,
e você sempre ao meu lado.

Ontem puder ver
aquele que sempre me olhou,
os braços que acolhiam
e que a mim consolou.

Tive crises absurdas
de tantas mágoas passadas
e ele com um pincel
desenhou-nos de mãos dadas.

Com a certeza de que
devo ficar, despeço-me deste céu
destas terras de angustia,
onde enterrei o meu anel

E como desejo que possuo
peço sempre ao Senhor
que o meu anjo protetor
cuide para sempre
do meu infinito e grande amor.


quinta-feira, 6 de março de 2014

TERESINHA

O primeiro me chegou
Como quem vem do florista:
Trouxe um bicho de pelúcia,
Trouxe um broche de ametista.
Me contou suas viagens
E as vantagens que ele tinha.
Me mostrou o seu relógio;
Me chamava de rainha.
Me encontrou tão desarmada,
Que tocou meu coração,
Mas não me negava nada
E, assustada, eu disse "não".
O segundo me chegou
Como quem chega do bar:
Trouxe um litro de aguardente
Tão amarga de tragar.
Indagou o meu passado
E cheirou minha comida.
Vasculhou minha gaveta;
Me chamava de perdida.
Me encontrou tão desarmada,
Que arranhou meu coração,
Mas não me entregava nada
E, assustada, eu disse "não".
O terceiro me chegou
Como quem chega do nada:
Ele não me trouxe nada,
Também nada perguntou.
Mal sei como ele se chama,
Mas entendo o que ele quer!
Se deitou na minha cama
E me chama de mulher.
Foi chegando sorrateiro
E antes que eu dissesse não,
Se instalou feito um posseiro
Dentro do meu coração.
Chico Buarque

Avassalador, chega sem avisar, toma de assalto, atropela, vela de incendiar ...


Cedo ou tarde...


Ninguém pode ver nem compreender nos outros o que ele próprio não tiver vivido.
Hermann Hesse
 A felicidade bestializa, só o sofrimento humaniza as pessoas ”
Mario Quintana

terça-feira, 4 de março de 2014

A linguagem


“A linguagem é o instrumento com que o homem pensa e sente, forma
estados de alma, aspirações, volições e ações, o instrumento com que
influencia e é influenciado, o fundamento último e mais profundo da
sociedade humana.”
L. Hjelmslev

Em paz

Dizem que o medo e a dor
Fazem a gente aprender
A superar como for
Um mal de amor pra valer
Verbos e sonhos se vão
Deixando a mesma impressão
Não vale a pena viver por viver
Pelo seu amor, chorei
Pelo seu amor que essa alma se lançou
E o encanto bom que existe então chegou
Quer viver assim, assim tão perto de mim
E eu que era sozinho agora estou
Em paz

Natiruts 
Os caminhos de redemoinhos também contém ventos raivosos. Os caminhos das águas também é cheio de pedras. Os caminhos de um jardim também possui flores espinhosas e belas. Meus caminhos também possui águas e pedras, redemoinhos e ventos, flores e espinhos. Mas são todos belos caminhos. Deleite para aqueles que adoram se aventurar em terras que ninguém ousa plantar os pés.

Lindo ...

http://www.youtube.com/watch?v=14sRksQGgts&list=AL94UKMTqg-9BsDf1_BllOxy8etqz0ENan&index=5

segunda-feira, 3 de março de 2014

Sereia

Como rosas murchas de mal dormidas,
A dor de músculos exaustos,
O lamento do canto de uma sereia
se espalha sobre o ar.
Segue límpida e rígida como se fez.
A natureza toda a quis assim,
Só.
Para que o vento lhe fizesse companhia,
para que o sangue preto lhe fosse cor,
para que o sabor de amargo lhe fizesse doce.
E vive.
Vive como se afrouxar-lhe as cordas fosse bom;
prisioneira da própria amargura
se torna um ser solitário,
medonho.
Por ser farta, cansada, reprimida.
Trilha as águas doces e salgadas
de uma nascente até a fonte,
de fonte até o oceano.
De que são feitas as águas suaves e leves
que lhe tanto corrói os olhos?
Mantem-se porquanto assim,
Cega de devaneios,
Amarrada de anseios.
E à pressão de seu coração,
que agora já se tornou alívio
 para a dor de sua sangrenta alma.

"Custava-lhe esforço aquela decência tranqüila, aquela face calma - nervosa, no cansaço da noite maldormida, da luta inglória contra o desejo em brasa do seu ventre. Por fora água parada, por dentro uma fogueira acesa."
Jorge Amado
Mas o pior é o súbito cansaço de tudo. Parece uma fartura, parece que já se teve tudo e que não se quer mais nada.
Clarice Lispector

A Matança

Venha me destruir
Me enterre, me enterre!
Eu estou farto de você!
Olhe nos meus olhos
Você está me matando, me matando!
Tudo que eu queria era você!

Eu tentei ser outra pessoa
Mas nada parecia mudar
Sei agora este é quem eu realmente sou por dentro!
Finalmente me encontrei! Lutando por uma chance, Sei agora
Este é quem eu realmente sou!

sábado, 1 de março de 2014

A casa cheia, o coração vazio
Escorre do meu rosto, um lamento arredio
O veneno acabou, a festa esvaziou
O tempo da inocência terminou
Os amigos que eu fiz, e quem jamais voltou
Ferida que eu abri, e que jamais fechou
Para passar a luz, que vence a escuridão
pra eu tentar aquecer o meu coração

PEDAÇOS

Se o que há em mim não é saudade,
então, por favor, apague a luz
e deixe chover todas as lágrimas desse meu vazio.
Se o que há em mim não é tempestade,
jogue fora as minhas tristezas,
porque até o mais nobre sorriso desaba num temporal.
Se o que há em mim não são asas,
rasgue os meus papeis e jogue-os ao vento,
pois eles levantarão vôo sob os meus olhos.
Se o que há em mim não são letras,
me amasse e me jogue fora
me despedace, mas me mantenha no ar…
Se o que há em mim não são sentimentalidades,
me esqueça e apague o meu nome dos muros pichados por amor.
Se o que há em mim não é mar
sequem as ondas que quebram na praia.
Se o que há em mim não é outono,
então pode apagar as estações.
Sou leve, forte, ágil e frágil.
Caio, levanto, choro, sorrio.
Sou humana, sou criança,
sou asa, sou pássaro,
livre, ferido, perdido…
Sou mar… no ar!

Ilusão

Não adianta o esforço
Ninguém pode ver
O seu interior cheio de flores 
De vida e de sonhos

Ninguém pode ver
a sua alma tentando reviver,
seu passado assombrar-lhe,
a esperança para um alguém.

E no final é só você
Você, sozinho consigo mesmo
No fundo, sabe que é melhor assim
Mas corações romanticos serão sempre romanticos

Não fique triste se ninguém te ver
Saiba que seus sentimentos belos e inócuos 
serão sempre um orgulho
Doa-se sem medo, um dia a dor vai se afastar
do brilho que refletira de seus olhos.